5. VINHO DO PORTO — RUBY, TAWNY, VINTAGE E LBV

Recentemente, a Natália Andrade Viana, do Winelicious Wine Blog, propôs-me uma parceria entre o Winelicious e o Rizzlingwines, por forma a que pudéssemos trocar publicações em ambos os espaços. Este é o primeiro artigo resultante dessa sinergia. E nada melhor que Vinho do Porto para estas celebrações!

Não há vinho mais clássico que o Vinho do Porto! É um dos vinhos mais apreciados em todo o mundo e tem uma história fascinante. Produzido na Região Demarcada do Douro, distingue-se dos outros vinhos, sobretudo, por duas características: a doçura e o teor alcoólico (compreendido entre os 19 e os 22%).

O vinho do Porto é um vinho fortificado. Quer isto dizer que, a determinada altura do processo de produção, é adicionada aguardente vínica (geralmente 115 litros de aguardente por cada 435 litros de vinho). Apesar de ser conhecido como um vinho doce, o Vinho do Porto pode ser muito doce, doce, meio-seco e extra seco. E, à semelhança do que acontece com outros, o Vinho do Porto pode ser branco, tinto ou rosado. Entre as principais designações estão os Ruby, os Tawny, os Vintage e os LBV.

RUBY

Este rótulo é dado aos Vinhos do Porto mais jovens, geralmente com idades entre os três e os cinco anos. O nome é uma alusão à cor do vinho, elaborado com uvas tintas, normalmente sem data de colheita, com um processo de envelhecimento de dois a três anos em pequenos barris de carvalho.

TAWNY

À semelhança dos Ruby, os Tawny são elaborados com uvas tintas, passando também por barris de carvalho por um período de dois ou três anos. A diferença é que, posteriormente, seguem para barricas mais pequenas, ampliando o contacto do vinho com a madeira e com o oxigênio. Esse processo acelera a oxidação do vinho, já que o oxigénio atravessa facilmente a madeira, fazendo com que a cor do vinho fique mais próxima do âmbar.

VINTAGE

É a grande preciosidade dos Vinhos do Porto. Os Vintage são obtidos da colheita de uvas de um único ano, em que a qualidade das uvas tenha sido excecional. Mantém o envelhecimento na garrafa, de forma lenta, após ter permanecido por dois anos na madeira.

LATE BOTTLED VINTAGE (LBV)

Tal como os Vintage, os LBV provêm de uvas de um único ano. Contudo, passam mais tempo a envelhecer em barris de madeira para que a evolução oxidativa possa ser mais lenta. Este tipo de vinho é engarrafado entre quatro a cinco anos após a sua produção, apresentando uma cor avermelhada, próxima da dos Ruby.

 

CURIOSIDADES

  • As primeiras expedições de vinho com o nome de “Vinho do Porto” foram registadas em 1678. Apesar de o vinho ser produzido no Alto Douro, o seu nome deve-se à cidade costeira do Porto, a partir de onde era exportado. Até meados do século XX, o vinho era transportado, desde as vinhas, pelo rio Douro em barcos conhecidos por Barcos Rabelos. O vinho era descarregado nas Caves das casas de vinho do Porto, em Vila Nova de Gaia. Ali, o Vinho do Porto era envelhecido, engarrafado e expedido.
  • Muitos dos mais antigos e conhecidos produtores, como a Taylor’s ou a Croft, têm origem inglesa ou escocesa, facto que levou a que, ao longo de grande parte da história do Vinho do Porto, a Grã-Bretanha fosse o seu maior mercado. Hoje, o Vinho do Porto é apreciado em todo o mundo, destacando a forte presença nos países nórdicos da Europa e no Canadá.

 

 Fontes: memórias das longas leituras do Rizz.

One thought on “5. VINHO DO PORTO — RUBY, TAWNY, VINTAGE E LBV

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s